sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Espíritos familiares


O conceito de espírito familiar entre as bruxas hereditárias italianas está relacionado com os Lare ou Lasa. É o espírito ancestral do clã, o guia animal do outro mundo. Os primitivos povos itálicos eram migrantes e levavam animais sagrados como seus guias. Era muito comum cada clã usar o nome de seu animal guardião, os Piceni eram guiados por um pica-pau, em latim picus. os Lucani escolheram o lobo, lukos em grego..

O guia animal é visto como o ancestral, o que alimenta e protege. A prática de integrar o guia animal com a estrutura do clã foi espalhada por toda Itália pré-histórica: evidência disso é sua sobrevivência no pastoralismo é abundante na Idade do Bronze. A loba etrusca de Roma é um exemplo do guia animal.

Esse conceito mudou quando os humanos se estabeleceram em vilas e cidades. O primeiro estágio desta evoluçãoresultou no espírito Lasa, originalmente espírito dos campos e florestas, reflexo do espírito animal silvestre.

Após a conquista da Etrúria pelos romanos o lasa tornou-se espirito da casa, conhecido como Lare. Mesmo a imagem humanoide ainda econtramos o espírito animal, que aparece no corpo em formato de chifre segurado pelo Lare.

O espírito familiar das bruxas, bem conhecido na idade média, é o ressurgimento do antigo guia animal das velhas tribos itálicas. Atualmente este conceito está mais comumente associado aos gatos de estimação, aos passaros, cobras e assim por diante.

Como podemos ver, o familiar físico de estimação é um conceito relativamente novo, durante o periodo medieval os não-bruxos acreditavam que os agentes do diabo apareciam às bruxas sob a forma de servos animais. O animal de estimação é uma extenção totêmica do espírito familiar, ajudando a bruxa.

~*~
Bruxaria Hereditária
de Raven Grimassim

2 comentários:

lesadosemgeral disse...

Aprendi muito com o texto,obrigada.
Meu animal acho que é o gato.
Sempre tenho que ter.
Já criei várias.
Agora tenho uma chamada Brigite, que vem de Brigid, que é o nome de uma ninfa celta .
Posso vir sempre aqui?

Nadja Saori disse...

Olá!!! Gostei do texto publicado, gosto muito deste assunto... o animal totem... nosso guardiào e companheiro... mas ainda não sei o meu.

beijoooos