segunda-feira, 27 de abril de 2009

O coração e o útero da casa


O período paleolítico foi o primeiro e o mais extenso que conhecemos da história da humanidade. durante esse período, o homem construiu sua primeiras ferramentas que eram instrumentos feitos de pedaços de madeiras, ossos e, pedra lascada. Os homens do paleolítico ainda não produziam seu próprios alimentos, não cutivavam plantas e nem criavam animais. consumiam os alimentos que encontravam na natureza, coletavam frutos, grãos e raízes. Caçavam todo tipo de animais e pescavam. e por isso eram nomades, quando o alimento acabava lá iam eles atrás de seu sustento em outro lugar.

O controle do fogo foi uma das maiores realizações humanas do paleolítico, representou uma das grandes conquistas do homem sobre o meio ambiente. Com o domínio do fogo e a utilização das primeiras ferramentas, o homem paleolítico venceu dois grandes inimigos: o frio e a fome. Depois veio a aprendizagem do cultivo de alimentos com a agricultura e a criação de animais, que a mitologia atribue a Ceres, Demeter, Saturno, Osiris..

Hoje a cozinha é um dos melhores lugares de nossas casas, inclusive para a prática da magia. A cozinha é o lugar do fogo sagrado, é como o útero da casa. Temos agora outra forma de viver, diferente dos humanos primitivos mas a proteção fornecida por nossos lares e o alimento são igualmente essenciais para a nossa saúde e bem estar. Mesmo que a maioria de nós temos a impressão de que os alimentos já nascem embalados, direto no supermercado, devemos ter consciência de todo seu processo de nascimento, crescimento e preparo para entendermos o valor de cada grão, de cada folha e fruto.

Numa sociedade machista como a nossa, as mulheres são levadas a detestar cozinhar. Falta de tempo? Uma mulher moderna não combina com a cozinha? Perde sua força por manter seu instinto materno e preparar seu alimento e da sua família? Coisas que me fazem pensar, apesar da procura pelo Divino Feminino estar crescendo, temos que trilhar um longo caminho de volta pra casa, ou pra cozinha!!

A natureza feminina permite que façamos várias coisas ao mesmo tempo. Então, gostar de cozinhar e de outros "afazeres domésticos" não fere nossa capacidade de também sermos excelentes profissionais fora de casa. Com a vida corrida que temos hoje para não sobrecarregar as mulheres, os casais devem entrar em um acordo para a divisão de tarefas - e ainda se divertir e aumentar suas afinidades com isso.

As mulheres foram e são capazes de se adequar às várias exigências de um mundo patriarcal, ditado por e feito para os homens; então está mais do que na hora dos homens procurarem entender e se fundirem ao modus operandi feminino, pois todos têm a ganhar com isso - chegando a um equílibrio e junção de forças.

O ato de alimentar acompanha o universo feminino e da maioria das fêmeas da natureza. Durante a gravidez o corpo da mulher se transmuta para alimentar adequadamente mãe e feto. O útero é um verdeiro caldeirão da vida. Amamentar o filhote é natural e não deve ser encarado como uma obrigação, mas como um prazer. Isto parece óbvio, mas o que vemos é que até isso está sendo arrancado de nossa espécie, principalmente no mundo ocidental. uma licença maternidade de 4 meses como temos no Brasil não é tempo suficiente para prover o bebê de todos os benefícios do leite materno.

Somos provedoras do sustento da vida desde o início e não é porque disseram que devemos ser submissas que devemos mofar em casa sem aproveitar nossos dons, nem porque somos trabahadoras, estudantes, mães, tudo ao mesmo tempo, que devemos nos esquecer de nossa natureza. Mulheres, saibamos à pesar de tudo consiliar todas as nossa qualidades, capazes disso nós somos, com certeza. Vamos rever nossas ligações com os alimentos, suas qualidades mágicas, seus aromas e sabores. todo prazer de preparar um alimento com amor que ortalece o corpo e o espírito.

Benção dos Antigos.

2 comentários:

Nadja Saori disse...

voce tem razao. eu por exemplo, nunca gostei de cozinhar. Sempre conheci homens que curtiam... mas eu nao só nao levo jeito, como nao gosto!!!
Mas é tao importante... é parte de nós... e nao sei como mudar isso....
até!!!

Camila disse...

eu aprendi a cozinhar depois de mudar meu conceito sobre várias coisas. Eu detestava cozinhar, hoje eu gosto muito. Confesso que não sou fã de cozinhar o arroz e feijão do dia a dia, mas adoro preparar pratos especiais, com coisas frescas (o menos industrializadas possíveis) e de preferência com meu amor ali ao lado, junto com um bom vinho.